Tuesday, March 20, 2018

"It´s Time to make Our Government Work For All of US and not Just the 1%"

de:Bernie Sanders info@berniesanders.com
responder a:info@berniesanders.com
para:Paulo Lacaz <sccbesme.humanidade@gmail.com>
data:5 de dezembro de 2017 13:49
assunto:Our job is to stand up and fight back
enviado por:bounce.bluestatedigital.com
assinado por:berniesanders.com

Friends of Bernie Sanders

It's time to make our government work for all of us and not just the 1%." -Sen. Bernie Sanders (I-Vt.)

Paulo -

I believe that historians will look back at the early morning hours of Dec. 2, 2017, and conclude that it was one of the great acts of thievery in the history of the United States.
Let me be very clear about what is happening here. It is an extraordinarily cynical "two-step" process. First, Republicans are looting the Treasury. They are stealing trillions of dollars from the American people in order to give huge tax breaks to billionaires and large corporations. Second, as their tax breaks increase the deficit by $1.4 trillion, they will come back and, in the name of "deficit reduction," propose major cuts to Social Security, Medicare, Medicaid, education, nutrition, affordable housing and other programs desperately needed by the shrinking middle class.

This is class warfare, led by the Koch brothers and other wealthy Republican campaign contributors. More for the rich. Less for working families. Our job now is to stand up and fight back.

That is why last weekend I spoke to large crowds in Louisville, Kentucky, Dayton and Akron, Ohio, and Reading, Pennsylvania. Over 5,000 people took time out of their weekend to attend these high energy meetings in person and almost one million watched online. At these rallies, activists heard not only from me but from working people, DREAMers, nurses, Planned Parenthood patients and others about how this tax bill would negatively impact them, their kids, their parents and the future of our country.

Everyone made it absolutely clear that we need to keep fighting against this disastrous piece of legislation and not stop until we defeat it.

This legislation now goes to something called a "conference committee" where the House and Senate work out the differences between their respective bills. Then, the bill comes back for final passage. That means we probably have about three or four weeks to educate and organize the American people to defeat this dangerous bill. Please, get on the phone to your House and Senate members. Email them. Spread the word to your friends by social media. Talk to your co-workers. In the midst of massive income and wealth inequality, this country does not need more tax breaks for billionaires.

I will not stop until we defeat this disastrous piece of legislation. But I cannot do it alone:

(A packed house in Akron, Ohio on Saturday Night.)
One point I made clear at each stop on this trip is that Donald Trump, Paul Ryan, and Mitch McConnell have a plan.

Mark my words. Once they pass this bill, they will claim we need to deal with the deficit by cutting Social Security, Medicare, and Medicaid. You don't have to take my word for it. Here is what the New York Times wrote this weekend:

"As the tax cut legislation passed by the Senate early Saturday hurtles toward final approval, Republicans are preparing to use the swelling deficits made worse by the package as a rationale to pursue their long-held vision: undoing the entitlements of the New Deal and Great Society, leaving government leaner and the safety net skimpier for millions of Americans."

You might recall that during the campaign Donald Trump told the American people time and time again that he would not cut Social Security, Medicare or Medicaid. Well, like so much else, it is clear he was lying.

Remember, this legislation has nothing to do with what the American people want. Poll after poll shows that ordinary Americans are strongly opposed to this giveaway to the rich. On the other hand, this "tax reform" has everything to do with what wealthy campaign contributors want. It has everything to do with a corrupt campaign finance system. This bill is nothing more payback time for those who finance the Republican Party.

(Capacity crowd in Reading, Pennsylvania on Sunday)
Make no mistake about it. The political momentum is with us. A few weeks ago, on Election Day, Nov. 7, 2017, Donald Trump's name may not have been on the ballot, but Trumpism was. And it suffered a massive defeat. From coast to coast, in small towns and large cities, working people and young people, many of them first-time candidates, ran for office - and won. Voter turnouts in many parts of the country were surprisingly high.

People are fighting back to reclaim their democracy. 

They are fighting for a government and economy that works for all of us, not just the 1 percent. 

And now we have got to continue that pressure.

 Our job in the next few weeks is to make our voices heard louder than ever. Yes. If we do that, we can stop this morally bankrupt bill.

In solidarity,

Bernie Sanders
Paid for by Friends of Bernie Sanders
PO BOX 391, Burlington, VT 05402
This email was sent to sccbesme.humanidade@gmail.com. If you need to update or change your information or email address, click here to update your info. Email is one of the most important tools we have to reach supporters like you, but you can let us know if you'd like to receive fewer emails. We'd hate to see you go, but if you need to do so, click here to unsubscribe.

Monday, March 19, 2018



Russia does not approve the New World Order.
This is the main reason to weaken Vladimir Putin.

The promoters of this disgrace are FIESP - and other organizations of the same style, with Globo Organizations, supported as they were by governments that visited Argentina recently, which, in addition to bilateral support, received support from "security techniques". The applied technique is the same that occurred in Ukraine. These marches will provoke the misfortune of our Nation. See my other alert: New Ideas - We can not forget the Lava Jato Group - Sérgio Moro Judge - commander of the Judicial Dictatorship and STF with 90% its Highly Immoral Ministers. http://societocratic-political-regime.blogspot.com.br/2013/09/new-ideas.html



Mr. Donald J. Trump
PRESIDENT of the United States of America
The White House
1600 – Pennsylvania Ave. NW. 
Washington, DC 20.500

                                      Subject:  BRAZIL FIRST  

Dear Mr. President,


   As you are a Christian, that your St. Patrick's Day Prayers had conditions to enlighten you to consolidate your "America First" Plan. (https://www.whitehouse.gov/articles/st-patricks-day-irish-heritage-american-history/?utm_source=ods&utm_medium=email&utm_campaign=1600d)  http://www.bbc.com/news/uk-northern-ireland-43387569

   You are a great Patriot, Nationalist, and Moderate Globalist Political, who desires Social Welfare and if possible Moral of America people, avoiding wars through Diplomacy as we can see in your actions with the:

With Russia
Organização Truimp

With China.

With Syria

    Let's check other actions of your government to improve the well-being of Americans that live in America and other third-party articles.

·         Protecting American steel and aluminum

President Donald J.Trump you are addressing unfair trade practices in the steel and aluminum industries by putting in place a 25 percent tariff on steel imports and 10 percent tariff on aluminum imports.
“Economic vitality, growth, and prosperity at home is absolutely necessary for American power and influence abroad,” the President says. 
 “A Nation that does not protect prosperity at home cannot protect its interests abroad.”
            A few key details about these Proclamations:
Tariffs on steel and aluminum are anticipated to reduce imports to levels needed for these American industries to achieve long-term viability.

The strengthening of the U.S. domestic steel and aluminum industries will reduce our reliance on foreign producers.
·         Security

President Trump, you are welcoming any country with which we have a security relationship to discuss alternative ways to address these concerns.
President Donald J. Trump will Protect American National Security from the Effects of Unfair Trade Practiceshttps://www.whitehouse.gov/briefings-statements/president-donald-j-trump-will-protect-american-national-security-effects-unfair-trade-practices

  • ·         TPP
        A good position of President Mr. Donald J. Trump to defend American jobs, of workers in       America - https://www.cnbc.com/2018/01/25/trump-says-he-would-reconsider-trans-pacific-partnership-trade-deal.html  -                         https://www.brookings.edu/blog/order-from-chaos/2018/03/09/as-the-tpp-lives-on-the-u-s-abdicates-trade-leadership/

·         IMMIGRATION 

                Fight over U.S. spending bill rekindles immigration debate


·         Gun Children


·         Wall Street Organization




     After this global overview, You President has suffered a persecution for false foundations of Russian interference in the 2016 election, from all sides and especially by Mr. Barack Obama and Mrs. Hillary Clinton.

        Putin's Russia was initially persecuted by Ukraine War - , through Rothschild English Group the same one that already demonstrated displeased to the USA, due to its attitudes that have been against the New-New World Order, commanded by England. By another side, Mr. Putin eliminated the Rothschild Group in Russia territory and did not privatize its Central Bank. They were fortunate not to have privatized the Natural Gas and also the Electric Energy Generator - in the USA electric energy is State-owned.







Friday, March 16, 2018

Join the Our Revolution Membership Call

de:Our Revolutioninfo@ourrevolution.com
responder a:info@ourrevolution.com
para:Paulo Augusto Lacaz <sccbesme.humanidade@gmail.com>
data:16 de março de 2018 18:50
assunto:Join the Our Revolution Membership Call
enviado por:bounce.bluestatedigital.com
assinado por:ourrevolution.com

Our Revolution

Paulo Augusto,

This month's membership call will feature three incredible women on Our Revolution's Board. RSVP below for next Wednesday's Our Revolution membership call:


We will be joined by Our Revolution President Nina Turner and Our Revolution Board Members Catalina Velasquez and Lucy Flores.

We look forward to speaking with you next Wednesday, March 21 at 9 p.m. EST/6 p.m. PST.

In solidarity,

The Team at Our Revolution
PO Box 66208

Not authorized by any candidate or candidate committee. Our Revolution is a 501(c)(4) organization. Donations to Our Revolution are not deductible as charitable contributions for Federal income tax purposes. All donations are made to support Our Revolution’s general mission and are not designated for any specific activity.
PO Box 66208, Washington, DC 20035
This email was sent to sccbesme.humanidade@gmail.com. If you need to update or change your information or email address, click here to update your info. Email is one of the most important tools we have to reach supporters like you, but you can let us know if you'd like to receive fewer emails. We'd hate to see you go, but if you need to do so, click here to ---- Help us continue transforming American politics and fighting for progressive candidates and causes by contributing to Our Revolution here.


Ao Excelentíssimo Senhor
Desembargador DrClaudio de Mello Tavares
Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Rio de Janeiro.
Av. Erasmo Braga, nº  115
Lâmina I – 8º  andar- sala 825
CEP: 20020-903

Excelentíssimo Senhor,
Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Rio de Janeiro.

      Primeiramente desejo agradecer por ter caído no grau de confiança de V. Exa., no ato franco de ter-me fornecido  o cartão de visita, para poder externar meus estudos sobre o tema tratado no Evento da EMERJem 05/03/2018, referente à  II SEMANA DE VALORIZAÇÃO DA 1ªINFÂNCIA, objetivando de minha parte à procura das soluções para minimizar as causas destes tipos de problemas humanos; pois os participantes profissionais do Evento estavam dignamente no acerto de soluções de forma a corrigir os efeitos danosos da Educação dos Sentimentos apregoados hoje em dia. Onde somente se preocupam com os Direitos dos protagonistas se esquecendo das LEIS NATURAIS DOS DEVERES, que provocam  a subordinação dos sentimentos altruístas ao sentimentos egoístas;favorecendo a subordinação da Sociabilidade à Personalidade.
Aproveito o ensejo para apresentar a ONG SCCBESME HUMANIDADE, de uma forma substancializada por meio de uma correspondência enviada a um Órgão da ONU – National Ethical Service, que nos consultou solicitando, o que nós mais precisamos ($)  – Incrível! Mas é Verdade. Aproveitamos e geramos o link   http://sccbesme-humanidade.blogspot.com.br/2017/12/national-ethical-service-sccbesme.html dando uma ideia geral do que se trata esta Organização Sem Fins Lucrativos.
Voltando ao tema segue um artigo de forma Sistemática na Aplicação Prática ou Tecnológica da Ciência Moral Teórica Positiva, onde são abordados os DEVERES, para podermos  encontrar os sustentáculos dos parâmetros dos nossos objetivos.  http://sccbesme-humanidade.blogspot.com.br/2018/03/a-ciencia-sociologia-positiva.html
Esperando ter colaborado, permaneço às ordens, desejando-lhe
Saúde, com Respeito e Fraternidade (SRF)
   Paulo Augusto Lacaz
     Presidente – CEO

Nota: Vou pesquisar e provavelmente enviarei mais material sobre o tema.

Monday, March 12, 2018

The Tyranny of Big Corporations Only Increases

Noam Chomsky
Add caption
       Até Orwell se assombraria com o neolibelismo hoje (na foto, Chomsky em seu novo escritório, no Departamento de Linguística da Universidade do Arizona) - Crédito: Apu Gomes)
De Jan Martínez Ahrens, no El País:
Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) superou faz tempo as barreiras da vaidade. Não fala de sua vida privada, não usa celular e em um tempo onde abunda o líquido e até o gasoso, ele representa o sólido. Foi detido por opor-se à Guerra do Vietnã, figurou na lista negra de Richard Nixon, apoiou a publicação dos Papéis do Pentágono e denunciou a guerra suja de Ronald Reagan. Ao longo de 60 anos, não há luta que ele não tenha travado. Defende tanto a causa curda como o combate à mudança climática. Tanto aparece em uma manifestação do Occupy Movement como apoia os imigrantes sem documentos.

Mergulhado na agitação permanente, o jovem que nos anos cinquenta deslumbrou o mundo com a gramática gerativa e seus universais, longe de descansar sobre as glórias do filósofo, optou pelo movimento contínuo. Não se importou com que o acusassem de antiamericano ou extremista. Sempre seguiu em frente com valentia, enfrentando os demônios do capitalismo − sejam os grandes bancos, os conglomerados militares ou Donald Trump. À prova de fogo, sua última obra volta a confirmar sua tenacidade. Em Réquiem para o sonho americano (editora Bertrand Brasil), ele põe no papel as teses expostas no documentário homônimo e denuncia a obscena concentração de riqueza e poder que exibem as democracias ocidentais. O resultado são 192 páginas de Chomsky em estado puro. Vibrante e claro.
Preparado para o ataque.
— O senhor se considera um radical?
— Todos consideramos a nós mesmos moderados e razoáveis.
— Defina-se ideologicamente.
— Acredito que toda autoridade tem de se justificar. Que toda hierarquia é ilegítima enquanto não demonstrar o contrário. Às vezes pode se justificar, mas na maioria das vezes, não. E isso... isso é anarquismo.
Uma luz seca envolve Chomsky. Depois de 60 anos dando aulas no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), o professor veio viver nos confins do deserto de Sonora, no Arizona. Em Tucson, a mais de 4.200 quilômetros de Boston, ele se instalou e estreou um escritório no Departamento de Linguística da Universidade do Arizona. O centro é um dos poucos pontos verdes dessa cidade abrasadora. Freixos, salgueiros, palmeiras e nogueiras crescem em torno de um edifício de tijolos vermelhos de 1904 onde tudo fica pequeno, mas tudo é acolhedor. Pelas paredes há fotos de alunos sorridentes, mapas das populações indígenas, estudos de fonética, cartazes de atos culturais e, no fundo do corredor, à direita, o escritório do maior linguista vivo.
O lugar não tem nada a ver com o espaço inovador do Frank Gehry que o abrigava em Boston. Aqui, mal cabe uma mesa de trabalho e outra para sentar-se com dois ou três alunos. Recém-estreado, o escritório de um dos acadêmicos mais citados do século XX ainda não tem livros próprios, e seu principal ponto de atenção recai em duas janelas que inundam a sala de âmbar. Chomsky, de calças jeans e longos cabelos brancos, gosta dessa atmosfera calorosa. A luz do deserto foi um dos motivos que o levaram a se mudar para Tucson. “É seca e clara”, comenta. Sua voz é grave e ele deixa que se perca nos meandros de cada resposta. Gosta de falar longamente. Pressa não é com ele.
Pergunta. Vivemos uma época de desencanto?
Resposta. Já faz 40 anos que o neoliberalismo, liderado por Ronald Reagan e Margaret Thatcher, assaltou o mundo. E isso teve um efeito. A concentração aguda de riqueza em mãos privadas veio acompanhada de uma perda do poder da população geral. As pessoas se sentem menos representadas e levam uma vida precária, com trabalhos cada vez piores. O resultado é uma mistura de aborrecimento, medo e escapismo. Já não se confia nem nos próprios fatos. Há quem chama isso de populismo, mas na verdade é descrédito das instituições.

P. E assim surgem as fake news (os boatos)?
R. A desilusão com as estruturas institucionais levou a um ponto em que as pessoas já não acreditam nos fatos. Se você não confia em ninguém, por que tem de confiar nos fatos? Se ninguém faz nada por mim, por que tenho de acreditar em alguém?

P. Nem mesmo nos veículos de comunicação?
R. A maioria está servindo aos interesses de Trump.

P. Mas há alguns muito críticos, como The New York TimesThe Washington Post, CNN…
R. Olhe a televisão e as primeiras páginas dos jornais. Não há nada mais que Trump, Trump, Trump. A mídia caiu na estratégia traçada por Trump. Todo dia ele lhes dá um estímulo ou uma mentira para se manter sob os holofotes e ser o centro da atenção. Enquanto isso, o flanco selvagem dos republicanos vai desenvolvendo sua política de extrema direita, cortando direitos dos trabalhadores e abandonando a luta contra a mudança climática, que é precisamente aquilo que pode acabar com todos nós.

P. O senhor vê em Trump um risco para a democracia?
R. Representa um perigo grave. Liberou de forma consciente e deliberada ondas de racismo, xenofobia e sexismo que estavam latentes, mas que ninguém tinha legitimado.

P. Ele voltará a ganhar?
R. É possível, se conseguir retardar o efeito letal de suas políticas. É um demagogo e showman consumado que sabe como manter ativa sua base de adoradores. Também joga a seu favor o fato de que os democratas estão mergulhados na confusão e podem não ser capazes de apresentar um programa convincente.

P. Continua apoiando o senador democrata Bernie Sanders?
R. É um homem decente. Usa o termo socialista, mas nele significa mais um New Deal democrata. Suas propostas, de fato, não seriam estranhas a Eisenhower[presidente dos EUA pelo Partido Republicano de 1953 a 1961]. Seu sucesso, mais que o de Trump, foi a verdadeira surpresa das eleições de 2016. Pela primeira vez em um século houve alguém que esteve a ponto de ser candidato sem apoio das corporações nem dos veículos de comunicação, só com o apoio popular.

P. Houve um deslizamento para a direita do espectro político?
R. Na elite do espectro político sim, ocorreu esse deslizamento, mas não na população em geral. Desde os anos oitenta se vive uma ruptura entre o que as pessoas desejam e as políticas públicas. É fácil ver isso no caso dos impostos. As pesquisas mostram que a maioria quer impostos mais altos para os ricos. Mas isso nunca se leva a cabo. Frente a isso se promoveu a ideia de que reduzir impostos traz vantagens para todos e que o Estado é o inimigo. Mas quem se beneficia da reduzir [verbas para] estradas,hospitais, água limpa e ar respirável?

P. Então o neoliberalismo triunfou?
R. O neoliberalismo existe, mas só para os pobres. O mercado livre é para eles, não para nós. Essa é a história do capitalismo. As grandes corporações empreenderam a luta de classes, são autênticos marxistas, mas com os valores invertidos. Os princípios do livre mercado são ótimos para ser aplicados aos pobres, mas os muito ricos são protegidos. As grandes indústrias de energia recebem subvenções de centenas de milhões de dólares, a economia de alta tecnologia se beneficia das pesquisas públicas de décadas anteriores, as entidades financeiras obtêm ajuda maciça depois de afundar… Todas elas vivem com um seguro: são consideradas muito grandes para cair e são resgatadas se têm problemas. No fim das contas, os impostos servem para subvencionar essas entidades e com elas, os ricos e poderosos. Mas além disso se diz à população que o Estado é o problema e se reduz seu campo de ação. E o que ocorre? Seu espaço é ocupado pelo poder privado, e a tirania das grandes corporações fica cada vez maior.

P. O que o senhor descreve soa a Orwell.
R. Até Orwell estaria assombrado. Vivemos a ficção de que o mercado é maravilhoso porque nos dizem que está composto por consumidores informados que adotam decisões racionais. Mas basta ligar a televisão e ver os anúncios: procuram informar o consumidor para que tome decisões racionais? Ou procuram enganar? Pensemos, por exemplo, nos anúncios de carros. Oferecem dados sobre suas características? Apresentam informes realizados por entidades independentes? Porque isso sim que geraria consumidores informados capazes de tomar decisões racionais. Em vez disso, o que vemos é um carro voando, pilotado por um ator famoso. Tentam prejudicar o mercado. As empresas não querem mercados livres, querem mercados cativos. De outra forma, colapsariam.

P. Diante dessa situação, não é muito fraca a contestação social?
R. Há muitos movimentos populares muito ativos, mas não se presta atenção neles porque as elites não querem que se aceite o fato de que a democracia pode funcionar. Isso é perigoso para elas. Pode ameaçar seu poder. O melhor é impor uma visão que diz a você que o Estado é seu inimigo e que você tem de fazer o que puder sozinho.

P. Trump usa frequentemente o termo antiamericano. Como o senhor entende esse termo?
R. Os Estados Unidos são o único país onde, por criticar o Governo, te chamam de antiamericano. E isso representa um controle ideológico, acendendo fogueiras patrióticas por toda parte.

P. Em alguns lugares da Europa também ocorre isso.
R. Mas nada comparável ao que ocorre aqui, não há outro país onde se vejam tantas bandeiras.

P. O senhor teme o nacionalismo?
R. Depende. Se significa estar interessado em sua cultura local, é bom. Mas se for uma arma contra outros, sabemos aonde pode conduzir, já vimos e experimentamos isso.
P. Acha possível que se repita o que ocorreu nos anos trinta?
R. A situação se deteriorou. Depois da eleição de Barack Obama se desencadeou uma reação racista de enorme virulência, com campanhas que negavam sua cidadania e identificavam o presidente negro com o anticristo. Houve muitas manifestações de ódio. No entanto, os EUA não são a República de Weimar[democracia alemã anterior ao nazismo]. Precisamos estar preocupados, mas as probabilidades de que se repita algo assim não são altas.

P. Seu livro começa lembrando a Grande Depressão, uma época em que “tudo estava pior que agora, mas havia um sentimento de que tudo iria melhorar”.
R. Eu me lembro perfeitamente. Minha família era de classe trabalhadora, estava desempregada e não tinha educação. Objetivamente, era uma época muito pior que agora, mas havia um sentimento de que todos estávamos juntos naquilo. Havia um presidente compreensivo com o sofrimento, os sindicatos estavam organizados, havia movimentos populares… Tinha-se a ideia de que juntos podíamos vencer a crise. E isso se perdeu. Agora vivemos a sensação de que estamos sozinhos, de que não há nada a fazer, de que o Estado está contra nós…

P. Ainda tem esperanças?
R. Claro que há esperança. Ainda há movimentos populares, gente disposta a lutar… As oportunidades estão aí, a questão é se somos capazes de aproveitá-las.

Chomsky termina com um sorriso. Deixa vibrando no ar sua voz grave e se despede com extrema cortesia. Em seguida, sai do escritório e desce as escadas da faculdade. Fora, esperam-lhe Tucson e a luz seca do deserto de Sonora.