Tuesday, January 28, 2014

ECONOMIA POLÍTICA sob a visão Positivista


ECONOMIA POLÍTICA sob a visão Positivista

A RIQUEZA É SOCIAL EM SUA ORIGEM E TEM SUA APLICAÇÃO OU DESTINO NO SOCIAL,  CRIANDO UM CRÉDITO OU GANHO PARA O INDIVÍDUO PRODUTIVO, ( PATRONAL - Lucro E PROLETÁRIO - Salário)
INTRODUÇÃO

·         A desigualdade sempre será real.
·         Igualdade somente de oportunidades. Todos devem ter a mesma oportunidade.
·          Pobres e Ricos sempre deverão ocorrer no sistema capitalista policiado,                 
                          QUE É O MAIS SOCIALMENTE SALUTAR.
·         Pois será pelo MÉRITO que aparecerão por consequência às diferenças de ganho, regidos pelas leis da oferta e procura de mão de obra, patronal ( Visando o lucro) e proletária ( Salário que de Manutenção e de Produtividade) e apoiados por Tecnologias de base científica.
·         Aqui se entende por MÉRITO: A Capacidade, a Competência, o Altruísmo e a Situação Econômica do indivíduo.
·         Realmente a Desigualdade é a consequência, cujas causas (3) vamos abaixo analisar, objetivando a minimização de milionários e miseráveis, procurando-se maximizar uma Classe Média, de Consumo Moderado; onde os extremos serão representados por Pobres dignos e Ricos condescendentes; minimizando ao máximo os Milionários e os Miseráveis.
·         São pelas diferenças que ocorrem as Uniões, depois as Unidades ( Doutrinas = Religiões = religar) e finalmente a Continuidade, pelas atividades INDUSTRIAIS produtivas, geradoras dos TRABALHOS / EMPREGOS, com poio do COMERCIO e das FINANÇAS.

A DIFERENÇA É SALUTAR

Histórico: A Economia Política Positivista.

   Em 1863, em Paris, vários intelectuais, ainda alheios aos 4 volumes da Politique Positive, isto é da Arte Política, com Leis Naturais oriundas da Ciência Moral Positiva ou Ciência da Construção ou ainda conhecida como Psicologia Científica, orientadora das Leis Naturais da Ciência Sociologia Positiva, não aceitavam a praticidade do Positivismo, pois este não levava em conta a aplicação Tecnológica da Economia Política e por isso não aceitavam esta declaração , o que não demorou a se estabelecer em uma série de manifestações, indicando que tudo deveria continuar sendo pesquisado. E que as ideias positivistas eram falhas.

Foi então que os discípulos de Augusto Comte resolveram protestar contra tal abuso e Pierre Laffitte, discípulo direto de Augusto Comte pensou que a melhor forma de restaurar a verdade, era colocar sob os olhos do público, um resumo dos princípios fundamentais da ECONOMIA SOCIAL, pois nesta época ele era diretor da Escola Positivista, onde proferia por mais de 9 anos,  em seus cursos de ensino filosófico, o tema sobre a História Geral da Evolução da Humanidade.(1)

 (2) lls avaient aussi espéré que M. Girardin pourrait donner asile à cette revendication, dans le journal qu'il dirige, mais il leur a été répondu par un refus formel. ((1) Eles também esperavam que o Sr. Émile Girardin proprietário do jornal La Press ( fundado em 1839) desse apoio  a esta afirmação, mas foi dito a eles de forma delicada que não publicariam nada sobre esta matéria.

Seria inédito, de fato, se um sistema filosófico e político que se baseia inteiramente na substituição da teologia (DEUS) pela ciência e da guerra pela PAZ, não fosse capaz de lidar designadamente com o sistema industrial? (Indústria = Fabril, Mineração, Bancária, Comércio/Serviço, Agronomia-[Agricultura/Pecuária], Órgãos Públicos e Monopólios Estratégicos).

Não serviria para nada!

 Lembremos primeiramente o Grande líder Recente do Estado de Israel o Sr.  Yitzhak Rabin que disse:

Existe apenas uma maneira radical de preservar o Ser Humano, sem armaduras, tanques, aviões e ou fortificações de concreto. A solução radical, senhoras e senhores, chama-se PAZ!”

Vamos nos harmonizar com DEUS: Isto é: A Teologia, com os 10 Mandamentos, e com as Leis Naturais das Ciências Sociologia Positiva e Moral Positiva.


O Sr. Augusto Comte negou que tivesse motivos para separar as considerações de condições materiais da Ciência Social da vida coletiva (Sociologia Positiva), para fazer uma ciência distinta e especial, em nome da Economia Política; ele negou que os economistas tivessem tratado adequadamente esse problema, por ponto de vista lógico e, sob o ponto de vista científico. Ele negou que os economistas tivessem apresentado uma ciência abstrata, com Leis Naturais, tais como matemática, astronomia, física, química, biologia, sociologia e moral – que possuem 7 atributos simultâneos – Real, útil, certo, preciso, orgânico, relativo e social, para ser ciência. Mas tem, no entanto, indicando que o desprovido cientificismo, mas que parte da base é importante e essencial para o funcionamento e entendimento das ciências sociais, rigorosa e abrangente estudo dos fenômenos econômicos, que vão ser apresentados.

Ao ler este resumo, as mentes sábias, provavelmente, reconhecerão que há certa audácia por parte dos atuais Economistas, para continuarem dizendo que a Doutrina Positivista (Culto, Dogma e Regime) não encara a Economia Política e apresenta a este respeito uma falha fundamental.

Fica aqui registrado de antemão que a Economia é uma aplicação TECNOLÓGICA da Ciência Sociologia Positiva; como a contabilidade e a topografia são da Matemática. A mecânica é da Física, mas que sofre influencia quando de sua operacionalidade, pelos sentimentos egoístas ou altruístas, do Ser humano, no seu projeto e planejamento.   Pois os Órgãos dos Sentimentos (10) comandam os da Inteligência (5), e recebem deste último um “feedback”, para se reposicionar; que por sua vez, ao serem policiados pelos do Caráter (3), põem em prática ou não as  ações (pelas combinações das expressões: oral, escrita e mímica) cujos planos e projetos podem ter como objetivo o indivíduo ou a Sociedades. Ou ambos: o ideal é quando ocorre a subordinação dos sentimentos egoístas (7) aos Altruístas(3). A Sociabilidade subordinada a Personalidade. A Personalidade sempre existirá = Sentimentos Egoístas + o Caráter, de cada habitante terrestre.

E que as Finanças, a Economia e a Política do Mundo são comandadas e estruturadas por um grupo acima dos que se reúnem em DAVOS – Que pode ser em parte esclarecido pelos dois links seguintes:




========================================================================
LICENÇA AOS PODEROSOS CONSERVADORES!
Nem tudo que for dito aqui será possível colocar em prática agora. Mas servirá de modelo para novas ideias.

ECONOMIA POLÍTICA sob a visão Positivista

Aqui nossa Proposta sobre a Economia Política será abstraída com base nas ideias e pensamentos fundamentados na PAZ e nas Leis Naturais das 7 Ciências e nas 15 Leis da Fatalidade Suprema com o policiamento moral positivo, das Leis Naturais da Ciência da Construção ou Psicologia Científica, com  seus 7 Teoremas.

Formação de Capital e Teoria do Estado. (1 ) Extrato de curso filosófico sobre a História Geral da Humanidade , por Pierre Laffitte ( 1823 – 1903), discípulo direto de Augusto Comte, segunda sessão, nono ano; este curso , público e gratuito , aconteceu aos domingos , 1 hora da tarde, na  rue Monsieur -Le- Prince, No. 10 . Foi proferido  de 1849 a 1857,   por Auguste Comte ( 1789 – 1857), no Palais -Royal , e voltou sem interrupção por M. Pierre Laffitte desde 1858 até 1903. 



Em mais 15 dias no máximo o restante do artigo estará pronto.

No comments:

Post a Comment